Inclusão - Desabafo de um educador

Psicólogo Clínico – CRP/06-4356

ImageNos últimos tempos, nada me incomoda mais do que o princípio “eu finjo que faço e você finge que acredita”.

Verdade: lá se vão meus 56 invernos e eu continuo teimoso. Teimando.

Cá com os meus botões (eu não sei o que faria sem eles) fico pensando no que significa INCLUIR.

O dicionário, como sempre, é preciso: inserir, introduzir, abranger, compreender, fazer parte.

Acredito que com base nessa conceituação simples, direta e objetiva, grandes nomes do nosso tempo estabeleceram, em 1994, a Declaração de Salamanca*, marco histórico na vida da educação inclusiva.

Por esse acordo, as escolas devem acomodar todas as crianças, possibilitando que todas aprendam juntas, independente de quaisquer dificuldades ou diferenças que possam ter, tanto de ordem física, quanto intelectual, social, emocional, lingüística ou outras.

As escolas devem reconhecer e responder às diversas necessidades de seus alunos, respeitando estilos e ritmos diferentes de aprendizagem e assegurando uma educação de qualidade a todos, por meio de currículo apropriado, modificações organizacionais, estratégias de ensino, uso de recursos adequados e parcerias com a comunidade. Além disso e através do seu exemplo, as escolas tornam-se meios importantes e fundamentais no combate à discriminação, respeitando e ensinando a respeitar as diferenças e dignidade de todos os seres humanos.

Portanto, INCLUIR, meus amigos, é criar condições de atendimento a pessoas com todos os tipos de necessidades e ponto.

O que se vê nas escolas que eu conheço não é nada disso. Nada disso!!

INCLUIR, na prática, significa aceitar pessoas deficientes ou com dificuldades de aprendizagem em ambientes escolares regulares. “E haja paciência para aturá-los” como já ouvi de um diretor de escola pública certa vez.

Só que, tanto pelo dicionário, quanto pela Declaração de Salamanca ou pelo discurso de qualquer teórico em Educação essa forma de tratar o assunto não passa de uma grande piada com conseqüências extremamente danosas para esse enorme contingente de alunos.

Humildemente (ou cheio de sarcasmo, como queiram) eu acredito que, se for para oferecer esse serviço de quinta categoria, seria muito melhor retroceder ao formato das salas especiais, das escolas especiais, das entidades especiais.

A cada dia recebo mais casos de crianças e jovens com necessidades diferentes, mas o atendimento escolar para todos é o mesmo e nivelado por baixo. Medíocre. Sem instalações físicas adequadas, sem equipamentos diferenciados, etc, etc, etc e, o que é pior, sem planejamento estratégico e sem professores capacitados para lidar com as mais diversas situações de ensino/aprendizagem.

Culpa de quem?

Talvez dos teóricos, que sabem tudo, mas se esquecem de pensar em como as coisas vão acontecer no dia-a-dia.

Quem sabe dos políticos que, para agradar os eleitores, tomam atitudes populistas sem considerar a estrutura necessária para que dêem certo.

É possível que seja dos dirigentes escolares porque simplesmente aceitam todo tipo de pressão e absorvem todas as crianças fingindo que as estão educando.

Talvez dos pais que, mesmo quando cientes dos problemas de seus filhos (o que é raro!!) aceitam deixá-los nesse amontoado de crianças dentro de uma sala de aula que, sabe-se lá como é, quantos alunos tem, que tipo de recursos possui, etc, etc e se há uma equipe de profissionais habilitados e capacitados para atender bem aos seus filhos.

 E a responsabilidade?

Quem segura o rojão?

Como sempre, os professores e educadores, a quem compete a missão de, todos os dias, trabalhar a aquisição do conhecimento, o desenvolvimento social e o prazer de estudar de nossas crianças e jovens.

E isso é mais injusto do que os infames salários pagos a quem dedica uma vida inteira à Educação.

Cabe, aqui, um alerta a você professora, a você professor: não aceitem decisões de quem quer que seja sem que lhes sejam fornecidas ferramentas e capacitação. E muitíssimo adequadas, todas elas.

Se essa pouca vergonha chegou até nós em formato de pirâmide (de cima para baixo e de poucos para muitos) vamos devolvê-la com a força que uma base possui e provocar a fúria do vulcão.

(*) Informações sobre a Declaração de Salamanca – Educação Inclusiva, João Serapião de Aguiar

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Mais sobre TDAH

  • O Impacto do TDAH na Sala de Aula

    Implicações educacionais do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade.

    Não existe nada de pior para uma criança com TDAH do que a escola. A desatenção e a falta de autocontrole se intensificam em situações de grupo  (sala de aula),  dificultando  a  percepção seletiva de estímulos relevantes, a organização e a execução adequada das tarefas.

    Leia mais...  
  • O TDAH tem cura?

    NotCer02.jpg A cura do TDAH é tema de grande polêmica em qualquer contexto de discussão, seja entre especialistas e pesquisadores, entre portadores e seus familiares, seja entre os diferentes grupos reciprocamente.Para introduzir o leito nesse campo de batalhas, apresento a seguir os casos clínicos de gêmeas idênticas, por mim atendidas nesses últimos anos.

    Leia mais...  
  • A religião em nosso cérebro

    Religiao.jpgImagine se você tivesse uma máquina que, colocada em sua cabeça como um capacete, fosse capaz de estimular áreas específicas do seu cérebro, melhorando funções ou provocando sensações que residem nessas áreas. As utilidades seriam muitas.

    Leia mais...  
  • Números que gritam !

    ImageNessa cidade 1994 crianças com idade entre cinco e 12 anos estudam em escolas da rede municipal e, segundo seus pais, 86% delas são felizes.

    “Péra aí”, que pesquisa é essa? Eu pensava que toda criança era feliz!

    Leia mais...  
  • O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade na Literatura Brasileira

    Memória de um sargento de milicia, 1840

    SargtoMiliciasO médico Manoel Antonio de Almeida, nascido no Rio de Janeiro em novembro de 1831, publicou aos 21 anos de idade, uma série de artigos para o Jornal Correio Mercantil, do Rio de Janeiro. Esses artigos configuraram o livro conhecido “Memórias de Um Sargento de Milícia” em que, o autor apresenta cenas descritivas de uma criança que, no transcorrer do desenvolvimento, são compatíveis com o diagnóstico de TDAH.

    Leia mais...  
  • Redefinindo o TDAH - Funções Executivas

    MeninaLinguaO TDAH foi descrito tipicamente como uma tríade que inclui hiperatividade, déficit de atenção e impulsividade.  Esses três fatores, no entanto, não descrevem a totalidade dos problemas que essas pessoas experimentam. Russel Barkley (Barkley, R.A 2000 - Taking Charge of ADHD: The complete, authoritative guide for parentes. New York, Guilford Press) explica como, no TDAH, existe uma incapacidade de inibição do comportamento atual para que o passo futuro seja alcançado, devido a uma disfunção executiva.

    Leia mais...  
  • TDAH no Adulto

     

    O TDAH se manifesta precocemente na criança e pode persistir na adolescência e vida adulta.

    Os principais estudos realizados sobre o tema mostram uma persistência do TDAH na vida adulta em 60 a 70% dos pacientes (4, 23).

    Leia mais...  
  • Psicopedagogia no TDAH

    RESUMO

    Contexto: As referências na literatura sobre Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) para educadores ainda são poucas, assim como os dados que avaliem os benefícios da psicopedagogia associados ao tratamento clínico de jovens escolares. Isto leva ao desconhecimento dos professores, dificultando um diagnóstico precoce e eficaz intervenção.

    Leia mais...  
  • TDAH e Galileu: é Ciência e não Imaginação!

    Coral Springs, Florida (www.verajoffe.com)

    Queridos leitores, foi com muita tristeza que li na Internet que há organizações em São Paulo, como aqui nos EUA, que ainda não reconhecem a Ciência e as evidências científicas advindas de estudos sobre o neurodesenvolvimento e transtornos psiquiátricos na infância e adolescência.

    Leia mais...  
  • Carta de Esclarecimento à Sociedade sobre o TDAH, seu diagnóstico e tratamento

    Recentemente, uma série de matérias sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) tem sido veiculada pela mídia jornalística não especializada.

    Leia mais...  
Back to top