Tributo a Miguel Nicolelis

Há duas semanas tivemos a honra de conviver por um dia com o Professor Miguel Nicolelis e recebê-lo em nossa casa por ocasião da Feira do Livro de Ribeirão Preto.

Para todos nós de casa que já éramos seus fãs foi um momento inesquecível. Aliás, já encomendei a placa a ser colocada na cadeira onde ele sentou e tomou café da manhã conosco na nossa varanda! A propósito, quem falou que vivemos numa época sem ídolos, certamente não conhece o Professor!

nicolelis2012Nascido em São Paulo em 1961, Miguel é um exemplo da combinação infalível do trabalho com a genialidade. Formou-se médico na Universidade de São Paulo, instituição onde concluiu seu Doutorado na área de Fisiologia com o Professor Timo-Iaria. Passados alguns anos foi “sugado” pelo “brain drain” (drenagem de cérebros), movimento de migração pelo qual indivíduos prodigiosos do terceiro mundo são atraídos para trabalhar em Universidades ou empresas do primeiro mundo onde transformam seus conhecimentos e talentos mentais em novos conhecimentos e tecnologias.

Nos EUA Miguel fez seu pós-doutorado e foi para a Universidade de Duke onde se tornou Professor Titular de Neurobiologia e Engenharia Biomédica. Na Duke, ele chefia um laboratório de Neuroengenharia, onde lidera um grupo de renomados Neurocientistas que estudam meios de integrar o cérebro humano às máquinas, neuropróteses, interfaces cérebro-máquina e, mais recentemente, interface cérebro-máquina-cérebro, uma das dez mais importantes tecnologias desse século segundo levantamento divulgado pela Universidade de Harvard e que num futuro bem próximo vão mudar o mundo.

A criatividade do Miguel sobra, como diria meu amigo “Seu Luis”, “dá para lavar a égua e ensaboar o potrinho”. Em 2008 ele se destacou na mídia mundial quando um macaco, em seu laboratório na Duke, através de sinais cerebrais transmitidos via internet, fez um robô andar numa esteira em outro laboratório em Kioto no Japão. O objetivo dessas pesquisas é desenvolver tecnologias que permitam, entre muitas outras coisas, reabilitar pessoas paralisadas por lesões cerebrais ou medulares. Sim, Miguel e sua equipe ainda vão fazer o paralítico voltar a andar e viver com autonomia e dignidade, e se tudo der certo na abertura da Copa do Mundo no Brasil em 12 de junho de 2014.

Palmeirense de carteirinha, daqueles que sabem todos resultados e escalações do seu time, lembrei o Professor de que o grande feito aconteceria, para nossa maior alegria, no novo estádio do Corinthians... Pra quê?! Já adiantou que prepara uma grande surpresa para a torcida palmeirense! Afinal, ninguém é perfeito!

A genialidade do Miguel é eclética, em 2009 foi capa da conceituada Revista Science, dessa feita por suas pesquisas que têm permitido avanços importantes na compreensão e tratamento da Doença de Parkinson.

Como a genialidade não tem fronteiras e é solidária, Miguel associou-se a outros neurocientistas brasileiros para criar o Instituto Internacional de Neurociências de Natal - Edmond e Lily Safra (IINN-ELS). Na capital do Rio Grande do Norte eles inauguraram em 2006 um polo de pesquisas de vanguarda em Neurociências, além de um vigoroso projeto de inclusão social da comunidade local com escola modelo, complexo poliesportivo e um centro de atendimento em Saúde Mental, o Campus do Cérebro.

Miguel Nicolelis hoje é considerado um dos vinte mais importantes neurocientistas do mundo em atividade, um brasileiro candidato ao Prêmio Nobel de Medicina e, como diria meu amigo dragão, um autêntico GQF, “Gente Que Faz”.

Obrigado Professor Miguel Nicolelis!

Back to top