Educar na era digital

EducaDigitalEntrevista do Dr. Arruda para a revista Profissão Mestre sobre educar na era digital
1 – Como é o processo de aprendizado no cérebro? Existem áreas específicas que são ativadas quando a criança ou o adolescente estão aprendendo? O senhor poderia descrever esse processo do ponto de vista físico e bioquímico?
Vivemos hoje um momento de mudança de paradigmas provocada por uma verdadeira avalanche de novos conhecimentos sobre o cérebro e o desenvolvimento da criança. Hoje sabemos que o aprendizado é um processo extremamente dinâmico com modificações exuberantes na química e estrutura cerebral, o que torna o Educador um verdadeiro escultor do cérebro da criança. Significa dizer que ao ler essa reportagem, nesse exato momento, uma cascata de eventos está ocorrendo em determinados setores do seu cérebro, algumas “rodovias” neuronais estão sendo reabertas, outras bloqueadas, 100 bilhões de neurônios (células principais), 5 trilhões de células da glia (células de sustentação) e 1 quatrilhão de sinapses (comunicações entre células nervosas)
encontram-se em franca interação. Uma forma de entender como se processa o aprendizado é conhecer melhor o desenvolvimento do cérebro da criança, sobre essa plataforma é que novas informações serão processadas.
  • De 0 a 2 anos de idade: na 3ª. semana de vida intra-uterina forma-se o tubo neural e começa a proliferação das células nervosas até por volta da 25ª. semana. A partir daí essas células vão se diferenciando e progressivamente “caminhando” cada qual para o seu destino dentro do cérebro (diferenciação e migração). Aos poucos vão também se “encapando” com uma bainha de proteína chamada mielina (mielinização), fenômeno que se estende até os 20 anos de idade e possibilita uma transmissão mais veloz da informação. •
  • De 2 a 4 anos de idade: nessa fase ocorre uma “tosa” de prolongamentos e vias neuronais que não foram utilizadas e um fortalecimento das que foram adequadamente ativadas. É uma fase que reflete a importância da estimulação adequada da criança para o seu pleno desenvolvimento cognitivo. Crianças insuficientemente estimuladas nessa fase, como por exemplo, aquelas cujas mães apresentaram depressão maior, terão um desempenho escolar e cognitivo global abaixo da média. Entre os 2 e os 4 anos de idade abre-se o “tráfego” no corpo caloso, um complexo viário que liga os dois hemisférios cerebrais, sobretudo suas porções frontais, o que permite a “explosão” da linguagem, raciocínio, julgamento, habilidades emocionais e memória episódica (relativa a eventos). Aos 4 anos de idade desenvolvem-se áreas temporais relacionadas às memórias de longo prazo, áreas parietais fundamentais para lógica e cálculo, e áreas occipitais e cerebelares responsáveis pela coordenação visual-motora.
  • De 5 a 7 anos de idade: a mielinização de todo o corpo caloso aperfeiçoa o “diálogo” entre os dois hemisférios cerebrais e suas diferentes funções, surgem as primeiras estratégias de memória e uma melhor integração entre passado e presente. Novas rodovias são abertas entre os lobos temporais e parietais (um de cada lado) provocando um desenvolvimento dramático da leitura e do vocabulário. Aos 6 anos de idade a dopamina, um dos nossos mais importantes neurotransmissores (substâncias químicas mensageiras das células nervosas), atinge níveis de adulto no córtex pré-frontal (região cerebral localizada atrás das nossas órbitas), viabilizando uma maior atenção e foco. Aos 7 anos ocorre um pico na densidade das sinapses no lobo frontal e novas rodovias são abertas até o sistema límbico permitindo um melhor controle dos impulsos (“breque comportamental”), autonomia, capacidade de planejamento e responsabilidade. Nessa fase desenvolve-se a periferia da área de Broca (área da fala) responsável pela compreensão de ironia e sarcasmo.
  • De 8 a 10 anos de idade: aqui acelera a maturação do córtex pré-frontal com progressivo aperfeiçoamento das habilidades de auto-controle, pensamento abstrato e organização. A partir dessa idade a criança aprende melhor através de estratégias de reforço positivo (feedback positivo). A habilidade de aprender se fortalece a medida que a mielinização progride e viabiliza a associação de sentidos com ideias. A partir daqui a criança não mais aprende para ler, mas lê para aprender.
  • De 11 a 13 anos de idade: aos 11 anos a criança começa a manipular melhor ideias abstratas e aos 12 anos, o contínuo desenvolvimento do córtex pré-frontal permite o aprendizado por reforço negativo (aprender através dos erros).
  • De 14 a 18 anos de idade: a “tosa” continua, as vias utilizadas são mantidas e fortalecidas, as inativas são deletadas. Melhora o pensamento abstrato e a memória operacional (memória de trabalho).
2 – O neurocientista Gary Small defende que o uso da internet mudou o funcionamento do nosso cérebro. Matéria publicada no site: http://www.correiodopatriota.com. O senhor concorda com essa afirmação? O senhor conhece estudos que corroboram com essa informação?
O Professor Small trabalha com memória e envelhecimento cerebral na Universidade da Califórnia em Los Angeles e seus estudos vem mostrando que o uso da internet promove a ativação de áreas cerebrais complementares àquelas ativadas durante a leitura de um livro. Isso é algo teoricamente previsível, uma vez que essas novas tecnologias mudaram a forma de transmissão da informação. Na leitura de um livro, além da visão (córtex occipital), dos movimentos oculares (tronco cerebral e córtex parietal) e do equipamento responsável pelo processamento da linguagem (lobo frontal), utilizamos áreas dedicadas ao julgamento (córtex pré-frontal) e gerenciamento das memórias (circuitos frontais e temporais). Para procurarmos um termo no Google, por exemplo, precisamos, além dessas áreas, outros circuitos responsáveis pelo rastreamento ocular e tomada de decisão. Não é que o uso dessas novas tecnologias mudou o funcionamento do nosso cérebro, na verdade estamos usando áreas até então “adormecidas”.
Existem livros muito interessantes sobre o tema:
Tapscott D, 2009 Grown Up Digital: How the Net Generation is Changing Your World.
Klingberg T, 2008 The Overflowing Brain: Information Overload and the Limits of Working Memory.
Goleman D, 2006 Social Intelligence: The New Science of Human Relationships
Gardner H, 2007. Five Minds for the Future.
Pink DH, A Whole New Mind: Why Right-Brainers Will Rule the Future
E numerosos estudos que podem ser acessados através do PubMed http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/

3 – Além do cérebro, como o contato com o mundo digital (internet e novas tecnologias) mudou a forma de aprender da criança e do adolescente? Como é o aprendizado para as gerações Y e Z (que cresceram com o uso dessas ferramentas)?
As mudanças provocadas pelas novas tecnologias do mundo digital no cérebro e no desenvolvimento da criança ainda não foram completamente exploradas, mas admite-se que o impacto é grande.
Essas coisas a gente não deve entregar, mas enfim, faço parte da geração “baby boomer” (aumento da natalidade após segunda guerra mundial), também chamada de geração da televisão. Dizem que aprendíamos de forma passiva, como quem assiste à televisão. Não concordo, assisti a pouca TV, jogava muita bola na rua, bolinha de gude, pipa e jogo de botão. Exercitava muita habilidade social, coordenação motora, equilíbrio e linguagem. Com exceção da escola, tudo o mais acontecia ao ar livre. Não ficava horas debruçado sobre um computador ou videogame. A escrita, de digital só tinha os dedos, e “ai da gente” se não fosse correta e bonita. Existiam cartas, víamos mais carteiros e era gostoso ir aos Correios. Consigo lembrar do cheiro dos meus cadernos, borracha e canetas. Minha mãe encapava meus cadernos com papel celofane. Telefone sem fio já existia, eram duas latas de “leite moça” unidas por um barbante. Quanta criatividade! Acho que aquilo foi determinante para a minha formação científica.
A partir do advento do computador pessoal (1981) e da internet (1991) surge a geração Y e mais recentemente a Z, aquela cujos pais também cresceram com a tecnologia digital. Essas gerações digitais apresentam algumas características interessantes que estão intimamente relacionadas com o processo de aprendizagem. Elas vivem um verdadeiro bombardeamento de informações, quase sempre reclusas em seus quartos com TV, celular, games e computador, privadas de uma mais ampla interação social, com conseqüente prejuízo da linguagem e do desenvolvimento das emoções, fundamentais para o processo de aprendizagem. Alguns estudos mostram uma menor estimulação dos lobos frontais nessas circunstâncias de desenvolvimento. Nos lobos frontais “moram” nossas funções executivas responsáveis por importantes tarefas como estabelecer um objetivo, criar estratégias para alcançá-lo, planejar o futuro, monitorar ações, tomar decisões e avaliar desempenho para ser capaz de corrigir a rota e atingir o alvo desejado. As gerações de hoje vivem numa busca incessante do prazer, vejo cada vez mais a dificuldade deles em adiar recompensas. Estudos realizados desde a década de 60 mostram claramente que crianças capazes de adiar recompensas apresentam desempenho escolar superior àquelas que não têm esse hábito ou habilidade.
Numa pesquisa populacional que estamos realizando com 8 mil crianças de 22 estados brasileiros, chamado Projeto Atenção Brasil, pudemos verificar que crianças capazes de adiar recompensa apresentam 2,4 vezes mais chances de ter um desempenho escolar acima da média do que crianças incapazes. Entre as que apresentam desempenho escolar muito abaixo da média, uma chance duas vezes maior de não adiarem recompensas.
Nesse contexto só estímulos exuberantes, que dão prazer e permitem interação é que conseguem atrair a atenção das crianças dos dias de hoje. É o que lhes oferecem os videogames, estímulo, interação e prazer imediato. Convenhamos, é uma concorrência desleal para o professor.
4 – A escola e o professor estão preparados para ensinar para essas novas gerações? Por quê?
Com certeza não estão preparados, pois esse processo é novo e ainda pouco estudado.
5 – O que é Neuroeducação e Neuropedagogia?
São áreas reconhecidas das Neurociências? A Neuroeducação é hoje um movimento internacional cujo objetivo é aliar as Neurociências às Ciências da Educação na tradução dos novos conhecimentos sobre o cérebro em práticas pedagógicas de sucesso, baseadas em evidências científicas. Ela teve seu início com a criação da International Mind, Brain, and Education Society (IMBES, www.imbes.org), da qual sou membro e que além de uma revista científica organiza congressos anuais ao redor do mundo. A IMBES foi criada por pesquisadores da Escola de Educação da Harvard e hoje conquistou espaço nas mais importantes universidades do mundo.
Nós introduzimos a Neuroeducação no Brasil em 2006 com a criação da COMUNIDADE APRENDER CRIANÇA (www.aprendercrianca.com.br), uma comunidade acadêmica virtual e gratuita que hoje conta com mais de 4 mil cidadãos de 25 estados brasileiros, 81% deles educadores. Temos um boletim virtual, o NOTÍCIAS DO CÉREBRO, e um congresso bianual, o APRENDER CRIANÇA, que esse ano será realizado na cidade de Ribeirão Preto (SP) de 06 a 08 de agosto.
6 – Como a Neuroeducação e a Neuropedagogia podem ajudar a escola e o professor a tornar o aprendizado mais eficiente e mais interessante para o aluno?
Enumero aqui algumas dicas fundamentais advindas da pesquisa científica e que podem ajudar sobremaneira o professor na sala de aula:
  • Estímulos Multi-sensoriais: as pesquisas mostram que o aprendizado será mais eficaz e a recordação da informação mais fácil se mais sentidos forem estimulados.
  • Recompensas e motivação: como vimos acima a necessidade de uma recompensa imediata é característica das gerações atuais. Recompensas externas podem ser preocupantes no ambiente escolar mas a criatividade do professor pode encontrar formas de recompensar o aluno em sala de aula de forma a motivá-lo nas atividades e conquistar sua atenção. Algo como dedicar um intervalo da aula para piadas, canções, jingles, se a atenção e participação de todos foi adequada no momento combinado.
  • Memória: sem repetição a memorização não acontece, a rememoração falha, perde-se a informação, o tempo e a motivação. A quantidade de repetição vai depender da emoção envolvida na passagem da informação. Quanto mais emoção maior a chance da informação ficar cravada na memória dos seus alunos.
  • Conhecimento prévio: dificilmente vai haver aprendizagem se a informação nova não está contextualizada e conectada a conhecimentos que já existem no cérebro da criança. • Do concreto para o abstrato: o lobo frontal, sede do nosso pensamento abstrato, demora mais a se desenvolver, como vimos aqui isso se estende até a segunda década de vida. Dessa forma, parta de exemplos concretos para atingir ideações abstratas.
  • Práticas: quando uma informação é colocada em prática ela se torna patente em nosso cérebro. Mas certifique-se de que na prática a criança realmente entendeu, ela deve ser capaz de falar e escrever sobre um conceito que praticou.
  • Estórias ou histórias: elas ativam muitas áreas cerebrais, mexem conosco, com nossas emoções, memórias e ideias. Elas têm início, meio e fim, o que também estimula o desenvolvimento de habilidades de sequenciação e organização (córtex pré-frontal).
  • Computadores e outras tecnologias: muitos sentidos são estimulados quando os estudantes trabalham em grupos fazendo pesquisas no computador. O trabalho é bastante visual, auditivo e cinestésico, além de estimular habilidades sociais.
  • O cérebro procura por padrões: a informação é guardada em nosso cérebro através de padrões de reconhecimento. Daniel Pink (2005) ressalta que a era atual requer uma forma de pensar que inclua a capacidade de detectar padrões e criar algo novo. É fundamental que o Educador apresente a nova informação, auxilie o aluno a identificar o padrão, associar esse padrão a padrões já armazenados por ele em seu cérebro e aí seja capaz de criar novos padrões. Dois métodos principais funcionam muito bem para isso, um é o uso de organizadores gráficos como mapas mentais e diagramas de Venn, outro é através da organização da informação em blocos lógicos e contextualizados.
  • O estresse inibe a aprendizagem: numerosas evidências apontam para isso, sobretudo os efeitos do cortisol (hormônio do estresse) provocando a morte de neurônios no hipocampo (área da memória de longo prazo). Nesse sentido ofereça um ambiente de ensino seguro, confortável e acolhedor. Estabeleça rotinas, regras, objetivos e procedimentos padrão. Os rituais de sala de aula podem contribuir para reduzir o estresse.
  • O cérebro é um órgão social: a interação e desenvolvimento de habilidades sociais são fundamentais no processo de aprendizagem. Nossas crianças da era digital encontram-se talvez mais aptas a se relacionar através de um teclado do que com a fala, o olhar e o toque. É importante para elas desenvolver a linguagem não verbal, reconhecer sentimentos através da face e dos gestos, interagir com diferentes grupos sociais, aprender a escutar, expressar suas emoções e ser empática.
  • Arte e atividade física melhoram o desempenho intelectual: explore essas atividades o mais que puder.
  • Contrabalance tecnologia e criatividade, utilize música e muito, muito visual!
7 – O estudo do britânico David Nicholas (http://tecnologia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2010/02/10/internet-faz-estudantes-perderem-capacidade-de-concentracao.jhtm) demonstra que o excesso de uso da internet e a rapidez na consulta dos sites da web contribuem para a diminuição da capacidade de concentração dos jovens. O senhor acredita que a web é uma das grandes responsáveis pela falta de concentração dos jovens (alvo constante de reclamações dos professores), sobretudo para leitura de textos mais longos, livros e também para a escrita? Por quê?
Acho que não apenas a web mas uma série de fatores que vão do videogame à televisão, passando por uma sociedade extremamente imediatista, fast tudo, fundamentada nas multitarefas, no consumo e no prazer imediato. Tudo isso interfere na prontidão para a atenção. Mas é preciso não confundir isso com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, uma condição neurobiológica que causa grande impacto na vida do portador, de sua família e da sociedade, e que deve ser precocemente identificada e tratada.
Back to top