Notícias do Cérebro

Notícias do Cérebro

Tempo excessivo na TV ou computador prejudica habilidades sociais dos adolescentes

meninocomputadorSegundo um recente estudo publicado na conceituada revista Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine, adolescentes que gastam muito tempo na televisão ou no computador apresentam menor desempenho em habilidades sociais.

Nos últimos 20 anos os jovens têm feito uso cada vez mais freqüente de ferramentas de informação e diversão que utilizam monitores, como videogames, telefones celulares, televisores, computadores, etc. A atração gerada por esses recursos tecnológicos provoca excitação e deslocam a criança e o jovem de outras atividades, sobretudo físicas e sociais, que são fundamentais para a sua saúde e desenvolvimento.

Leia mais

Desenvolvimento do Cérebro na Infância: Aprendizado e Comportamento

O desenvolvimento físico geral na criança tem efeito importante para as competências e habilidades na vida adulta. Evidências crescentes de investimentos no período inicial da vida da criança, nas gestantes envolvendo o concepto, repercutem na cognição, aprendizado e comportamento.

Leia mais

Tributo a Miguel Nicolelis

Há duas semanas tivemos a honra de conviver por um dia com o Professor Miguel Nicolelis e recebê-lo em nossa casa por ocasião da Feira do Livro de Ribeirão Preto.

Leia mais

Por que Neuroeducação?

Grande parte do fascínio das Neurociências está em sua capacidade de estudar os aspectos mais complexos do cérebro humano.
Como é possível contemplarmos imagens de beleza majestosa e ouvirmos músicas que tocam nossa mais profunda emoção. Mais inconcebível ainda, como podemos contemplar nossa existência e conceituar nossa própria mortalidade? Certamente, o cérebro humano, uma massa de 100 bilhões de neurônios, conversando uns com os outros via neurotransmissores e impulsos elétricos, é um órgão maravilhoso e espantoso!

Leia mais

Meu coração está em festa!

Meu coração está em festa!!

Vamos, finalmente, falar sério sobre essa coisa de INCLUSÃO.

Melhor que isso: quando digo que VAMOS, não digo que vou.

Leia mais

O Significado de Realengo

cenarealengoRealengo. Adj. 1. Real; 2. Régio. 3. Bras. Sem dono; público.

Ao realengo. Em desordem; entregue às moscas; abandonado (Aurélio).

Com uma população estimada de 236 mil habitantes, Realengo figura na 89ª posição no ranking de Índice de Desenvolvimento Humano da cidade do Rio de Janeiro.

Passado o casamento real e a morte de Bin Laden, não se fala mais do massacre de Realengo. Seria melhor esquecer?

Leia mais

Disciplina

DisciplinaUm jornalista costuma dizer que o "futebol é a coisa mais importante dentre as menos importantes". Parece-me uma boa definição... Essa importância paradoxal, no entanto, atinge cada vez mais as áreas verdadeiramente "importantes" da vida.
O caso mais recente, e cansativamente comentado,

Leia mais

Você sabe o quê o QI significa?

 

SabeQIA mais famosa, e talvez mais infame, definição de inteligência foi proferida por Boring, em 6 de junho de 1923, no jornal americano The New Republic, propondo que inteligência é o que os testes de inteligência testam. Ainda que muito limitada, Boring estava ciente de que ela era o ponto de partida para uma discussão mais rigorosa, bem como, que investigações científicas criteriosas poderiam, posteriormente, expandi-la. A despeito da controvérsia suscitada, tal definição,

Inteligência Emocional: Fato ou Ficção?

IntelEmocionalInteligência emocional é um dos desenvolvimentos mais recentes do entendimento da relação entre razão e emoção. Diferente da crença tradicional, sua contribuição genuína reside no fato de verificar pensamento e sentimento como elementos adaptativos, inteligentemente conectados. Enquanto Blaise Pascal perpetuou “O coração tem razões que a própria razão desconhece”, o conceito de IE sugere que ambos, coração e razão, não estão tão separados quanto se supunha.

Leia mais

Educar na era digital

EducaDigitalEntrevista do Dr. Arruda para a revista Profissão Mestre sobre educar na era digital
1 – Como é o processo de aprendizado no cérebro? Existem áreas específicas que são ativadas quando a criança ou o adolescente estão aprendendo? O senhor poderia descrever esse processo do ponto de vista físico e bioquímico?
Vivemos hoje um momento de mudança de paradigmas provocada por uma verdadeira avalanche de novos conhecimentos sobre o cérebro e o desenvolvimento da criança. Hoje sabemos que o aprendizado é um processo extremamente dinâmico com modificações exuberantes na química e estrutura cerebral, o que torna o Educador um verdadeiro escultor do cérebro da criança. Significa dizer que ao ler essa reportagem, nesse exato momento, uma cascata de eventos está ocorrendo em determinados setores do seu cérebro, algumas “rodovias” neuronais estão sendo reabertas, outras bloqueadas, 100 bilhões de neurônios (células principais), 5 trilhões de células da glia (células de sustentação) e 1 quatrilhão de sinapses (comunicações entre células nervosas)

Leia mais

Educando nos dias de hoje: o sucesso da disciplina assertiva

(Nurtured Heart Approach)

AssertividadeSempre busquei uma escola que fosse capaz de suprir as necessidades acadêmicas sem perder de vista o fato de que nem todas as crianças caem na faixa normal da curva de Gauss.  A maioria das escolas se mostra adequada para grande parte das crianças, mas são inúmeros os pais que se queixam de que não conseguem encontrar uma escola adequada para seu filho(a) que tem TDAH, distúrbio do aprendizado, ou outros diagnósticos. Essas crianças ficam à mercê da sorte, de encontrar uma professora que compre sua briga.

Leia mais

Timidez e Fobia Social na Infância e Adolescência

Timidez e Fobia Social na Infância e Adolescência:  fatores de risco e desenvolvimento
bullyingNeste artigo os autores discutem as questões referentes à timidez e fobia social em crianças e adolescentes. A discussão tem como foco a natureza da relação entre os dois constructos, destacando as respectivas analogias e diferenças. As diferentes dimensões da fobia social (fisiológica, cognitiva, afetiva e interpessoal) são consideradas com particular atenção para a esfera intersubjetiva. As relações interpessoais são conceitualizadas como processos circulares cruciais associados com o início e manutenção do transtorno. Palavras-chave: timidez, fobia social, processos interpessoais.

Leia mais

O Cérebro e o riso

ImagePaul, americano da gema, nem bem havia chegado ao Brasil e já se gabava de falar um “bom” Português. Foi quando me convidou para ir a sua casa, antes, porém, uma rápida passada pelo supermercado. O almoço prometia ser inesquecível, a começar pela lista cuidadosamente anotada por ele: PAY SHE, CAR NEED BOY (mail kilo!), PAY TO THE PIER YOU and MAC CAR ON.

Leia mais

Você tem medo do que?

ImageCom a “gripe” solta foi melhor cancelar a visita ao Miami Children Hospital, oportunidade muito boa para escrever sobre a amígdala, sede do medo em nosso cérebro. É certo que essa fica no “andar de cima”, não é a da garganta, sede de dores e infecções da infância, do medo de nossas mães proibirem o sorvete no final de semana...

Leia mais

Ilusões

KayaharaOs que ainda não conhecem a dançarina de Kayahara devem conferir. Trata-se da imagem virtual de uma dançarina em movimento que em determinado momento parece estar girando no sentido horário para, no momento seguinte, girar no sentido oposto, mudando, curiosamente, a cada instante e de acordo com o observador.

Leia mais

Lutar ou voar

Lutar_CorrerE a semana, como foi? Estressou?

Cuidado caro leitor, pesquisas recentes mostram que o estresse pode “matar” células nervosas no hipocampo, região cerebral que armazena memórias de longo prazo.

Já ouviu falar da resposta “fight or flight” (em Inglês, lutar ou voar)?

Leia mais

De bem com sua memória

ImageSe compararmos nossa memória a um cômodo fechado dentro de uma casa, poderíamos dizer que a atenção é a chave que abre a porta desse cômodo e permite-nos entrar, seja para guardar ou retirar algo que nos é necessário.

Sem a chave, caro leitor, a porta não se abre, você não entra e a memória falha. Não adianta chamar o chaveiro, nem pense em arrombar. É vexame na certa. Um compromisso esquecido, algo perdido, um branco total. “O que eu estava falando mesmo?” “Meu Deus, esqueci de ir à padaria?” “Desculpa, não lembro o seu nome!”

Leia mais

Mexa-se

Image Essa é a primeira regra! Pelo menos se você deseja reduzir o risco de desenvolver a doença de Alzheimer em 60%, o de acidente vascular cerebral (“derrame”) em 57%, melhorar sua capacidade de atenção e memória, combater a depressão e a ansiedade, e ainda ter novos neurônios “nascendo” em seu cérebro após os 50 anos de idade.

Os benefícios cardiovasculares do exercício físico são reconhecidos há décadas, bem como seu efeito protetor contra cerca de doze tipos diferentes de câncer, a boa nova agora vem de numerosas pesquisas que mostram que o cérebro também é muito beneficiado por ele.

Leia mais

Inteligência: teste de QI

Image “Inteligência é a capacidade do indivíduo de agir com propósito, pensar racionalmente e lidar efetivamente com o seu meio ambiente”.
David Wechsler, 1944

 

Ao longo do tempo, evidencia-se que várias foram as definições da inteligência. Dentre elas, Anastasi, (1977), refere que a inteligência de um indivíduo em qualquer momento é o produto final de uma seqüência vasta e complexa de interações entre fatores hereditários e ambientais. De acordo com Aldenkamp, (2004), a inteligência é um complexo processo que envolve inúmeras habilidades tais como a capacidade de comunicação, de utilização da atenção, de memorização e da capacidade de solucionar problemas.

A despeito das várias definições para a inteligência, uma das abordagens que foi bastante importante para a compreensão deste conceito foi a baseada em testes psicométricos, ou seja, aquela que buscava fornecer uma medida para a inteligência.

Leia mais

Noel e o marshmallow

Marshmellow.jpgEra 1960 e a criançada aguardava a chegada da Professora à sala de aula. Ao entrar, todos viram que ela trazia consigo um pacote cheio de marshmallow. Aquilo era inacreditável! O Toninho, que de diminutivo só tinha o nome e os 4 anos de idade, não se conteve e quase caiu da carteira. Antes de distribuir a iguaria a Professora deu as instruções, teria que sair e voltaria em 20 minutos, quem não atacasse o indefeso marshmallow até a sua volta ganharia outro como recompensa. Quem não resistisse à tentação da gula, caso provável do Toninho, nada ganharia a mais.

Estamos falando de um experimento denominado Marshmallow Test conduzido pelo psicólogo americano Walter Mischel da Universidade de Colúmbia nos idos dos anos 60. Os pesquisadores concluíram que as crianças capazes de aguardar a volta do Professor para ganhar o segundo marshmallow apresentaram, naquele momento e ao longo da infância e adolescência, maiores habilidades sociais, menor freqüência de transtornos mentais e mais de 200 pontos acima nos testes de aptidão escolar (SAT), em relação às que não conseguiram adiar a recompensa.

Leia mais

Festa de confraternização

Impossível faltar. Sem desculpas para não ir. Praticamente todo mundo que trabalha em uma empresa, clínica ou instituição espera ou teme pela festa de fim de ano. Muitos detestam e sofrem um mês antes da tal data: como vou vestido, quem vai estar lá, como ser simpática, como suportar aquela colega de trabalho que detesto e como agüentar as piadinhas do chefe?

Não há necessidade de sofrer assim, é apenas uma finalização de mais um ano de trabalho em equipe, por mais ou menos que essa equipe seja unida. É um momento de descontração, então vá com a família, se for permitido. Ponha uma roupa confortável e tente não ser tão crítico com você e com os outros! Não é hora de mostrar desempenho, capacidade nem nada disso, seja você mesmo e esqueça que é um funcionário nesse momento!

Leia mais

Sem breque, não dirija

NaoDirija.jpgComparando a um carro, é fácil prever que quando o breque cerebral não funciona as conseqüências podem ser trágicas. Os circuitos cerebrais que funcionam como breque do nosso comportamento estão no córtex pré-frontal, região localizada imediatamente atrás dos nossos olhos.

Por determinação genética ou lesão, essas células podem não funcionar adequadamente provocando um quadro neuropsiquiátrico denominado Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Leia mais

O Cérebro de Obama

obama.jpgNo corredor a mãe aguardava ser chamada e sua maior angústia era deixar o filho de dois anos de idade sozinho até que pudesse voltar. Aquela oportunidade de emprego era única e levar o menino a tiracolo poderia atrapalhar a contratação. Situação embaraçosa. A sua frente uma outra mãe também esperava, no colo um garotinho da mesma idade, no rosto a mesma preocupação. Ao entrar na sala do entrevistador pôde ouvir o início do primeiro choro, era o choro desesperado do seu filho, que em seguida se associou a outro choro, para em segundos misteriosamente calar. Vendo o outro chorar, a segurança do colo não era mais suficiente para ele, pôs-se também a chorar e puxar a mãe pelo braço para que pudesse confortar seu mais novo amigo e, então, começar a brincar.

Leia mais

O Transtorno Autístico:

O Transtorno Autístico: suas comorbidades e complexidade diagnóstica

 

autismo.jpgOs trabalhos de pesquisa sobre a terminologia autística referem que expressão “autismo” foi utilizada pela primeira vez por Eugen Bleuler, na citação do “Oxford English Dictionary”, em uma edição do American Journal of Insanity em 1912, para designar a perda do contato com a realidade de determinadas crianças que não respondiam a estímulos do meio social em que viviam. A primeira descrição clínica do autismo infantil foi realizada por Leo Kanner, em 1943, publicado na revista THE NERVOUS CHILD, em um trabalho intitulado “Distúrbios Autísticos do contato afetivo”. Referia-se a um quadro uniforme, de características envolvendo basicamente um desligamento das relações humanas, de dificuldade na aquisição da fala, estereotipias, resistência a mudanças e de boa memória e de boa aparência. Em 1947 Bender usou o termo esquizofrenia infantil, pois essa autora acreditava que o autismo era uma forma mais precoce de esquizofrenia na citação de DÁQUINA et. al. (2007).

Leia mais

Transtorno da Expressão Escrita

 borrados.jpg
Pode-se definir escrita como um sistema convencional, arbitrário, de transmissão de informação, isto é, de comunicação. A escrita se constitui na forma de representar conteúdos lingüísticos da fala (Santos & Navas, 2002).

Existem três sistemas de escrita, a saber: logográfico, silábico e alfabético. O sistema logográfico representa as palavras, os morfemas. Os sistemas silábico e alfabético são considerados fonográficos, já que representam seguimentos fonológicos, como, por exemplo, as sílabas e os fonemas.

Para que uma criança aprenda a escrever num país no qual o sistema de escrita utilizado é o alfabético, é fundamental que ela compreenda a noção de fonema, isto é, que “as letras, enquanto símbolos gráficos correspondem a segmentos sonoros que não possuem significados em si mesmos” (Lyon, 1999; Swank, 1999, apud Zorzi, 2003).

Leia mais

Atitude

cerebromao.jpg
No início do mês fui cortar o cabelo.

Aqui em São Pedro, a gente não vai aos salões de cabeleireiro, como nas cidades grandes. Nada disso.

Leia mais

Discalculia:

 O Desenvolvimento das habilidades em Matemática e a Discalculia

OcerebroMatematica.gifNos humanos, a representação interna para quantidades numéricas se desenvolve no primeiro ano de vida, servindo de base, mais tarde, para aquisição de habilidades para o aprendizado dos símbolos numéricos e a realização de cálculos.

Existem hoje fortes evidências de que as crianças já possuem habilidades básicas para o desenvolvimento da matemática. Wynn (1992) demonstrou que crianças podem realizar cálculos simples em torno dos seis meses de idade.

Leia mais

O Processo de Aprendizagem do Simbolismo à Escrita

 “Nada podes ensinar a um homem, podes somente ajudá-lo a descobrir coisas dentro de si mesmo”. Galileu

O cérebro é um desafio, por mais que se estude cada ponto, cada célula ou neurotransmissor em correspondência à função que exerce no corpo, ainda assim, as emoções são indomáveis, as escolhas são inúmeras, e ainda há muito que aprender, para facilitar a adaptação à vida.

Leia mais

Você sabe o que é Resiliência?

O termo Resiliência vem da Física e trata-se da capacidade dos materiais de se recuperarem ou adaptarem rapidamente. È também a propriedade pela qual um corpo devolve energia que armazena ao sofrer uma deformação elástica assim que termina a tensão deformadora. O termo migrou para as ciências humanas e hoje representa a capacidade de um ser humano de sobreviver a um trauma e a resistência desse indivíduo face às diversidades. Também representa a capacidade do indivíduo de, uma vez exposto a estresse, resistir e vencê-lo.

Leia mais

O que é Neurofeedback ?

O neurofeedback surgiu da junção da Neurologia, fisiologia e da psicologia experimental. Baseia-se no registro e análise precisa da atividade elétrica do cérebro. Esses parâmetros são selecionados e apresentados em tempo real para quem está treinando em forma de autoinformação (feedback). Estes parâmetros representam determinados processos fisiológicos, que normalmente ignorados e escapam ao nosso controle. O Neurofeedback é para eles uma espécie de espelho: ao utilizar-se o sinal de autoinformação, aprende-se a modelar melhor estes processos.

Leia mais

Back to top